Agenda sua consulta (66) 98447-7156

Blog

Enxaqueca: sintomas e principais causas – Parte 02

10 maiores causas de enxaqueca

Ainda de acordo com o Ministério da Saúde, existem 10 principais causas para a ocorrência da enxaqueca. A seguir, confira resumidamente quais são elas.

  1. Estresse e ansiedade

Sabe aquela ansiedade, estresse, tensão ou preocupação sem fim? Então, ela pode ser a causa (e até mesmo a única causa) para crises de enxaqueca.

  1. Noites mal dormidas

E não estamos falando apenas de dormir pouco, mas também de dormir MUITO, acordar com frequência no meio da noite, demora em conseguir dormir, ter insônia, ronco e até mesmo sentir sonolência durante o dia. Todos esses fatores relacionados a noites mal dormidas podem ocasionar crises de enxaqueca.

  1. Passar longos períodos sem comer

Ao ficar muito tempo sem comer, a taxa de glicose no sangue cai muito, o que pode levar à produção de componentes que causam dor. O ideal? Sempre se alimentar a cada 3 ou 4 horas e, após passar um longo período em jejum, não exagerar muito na refeição de retorno.

  1. Ciclo hormonal

A TPM também pode trazer consigo as crises de enxaqueca, assim como irregularidades na menstruação, ovários policísticos, endometriose e reposição hormonal durante a menopausa.

  1. Cafeína em excesso

Tomar café em excesso, assim como consumir muito chocolate ou demais bebidas com cafeína (como chá preto e coca cola) também são hábitos que podem provocar crises de cefaleia. O mesmo vale para os analgésicos que possuem em sua composição a cafeína. Fique atento!

  1. Irritabilidade

Ter o pavio curto, muitas alterações no humor, impaciência e passar raiva. Todos esses fatores também são desencadeadores de enxaqueca. A dica? Tentar ao máximo manter a calma, relaxar e treinar a paciência (o que pode ser feito pela meditação e até mesmo pela respiração!).

  1. Sedentarismo

A falta de movimentação diária também pode levar a crises de enxaqueca. Lembre-se ainda que a prática de exercícios não só emagrece e fortalece os músculos, como também produz endorfina (o hormônio da felicidade!) e regulariza a produção de neurotransmissores capazes de tornar o corpo mais saudável e resistente às dores.

  1. Uso em excesso de analgésicos

Aqui vai um alerta: os analgésicos não tratam crises de enxaqueca e seu consumo em excesso pode até mesmo intensificá-las, tornando-as mais resistentes e frequentes.

  1. Genética

Como já citamos no início deste artigo, as crises de enxaqueca quase sempre são genéticas. Por isso, é imprescindível que crises de enxaqueca na infância e adolescência sejam reconhecidas com rapidez, de modo a serem tratadas de modo adequado.

  1. Consumo em excesso de determinados alimentos

Frutas cítricas, nozes, alimentos gelados demais (como sorvetes), condimentados e muito gordurosos, assim como os ricos em glutamato monossódico (como molhos, salgadinhos e adoçantes) também podem causar – e até agravar – crises de enxaqueca.

Sobre o diagnóstico

Estima-se que em território nacional apenas 56% dos indivíduos que sofrem de enxaqueca procuram atendimento para a condição; e pior, que apenas 16% se consultem com um médico especialista, que pode ser um neurologista, otorrinolaringologista ou outro, a depender dos sintomas associados e da presença ou não de aura.

Agora você já sabe: ao sentir a dor latejante de cabeça, associada ou não aos sintomas citados, procure uma unidade de saúde.

———————–

Autor: Dr. Doutor Henrique Garchet. Graduado em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (2009). Especialização médica em Otorrinolaringologia pela Santa Casa de Belo Horizonte (2012) e Fellowship em Rinoplastia Estética e Funcional pela Santa Casa de Belo Horizonte (2014).

Voltar

 

Compartilhe no WhatsApp